3 de janeiro de 2013

Resenha:'Charlotte Street' da Novo Conceito





Charlotte Street

Autor: Danny Wallace
Editora:
 NOVO CONCEITO 

Lançamento:
 2012

Páginas:
 400




Sinopse: 

Tudo começa com uma garota... (porque sim, sempre há uma garota...) Jason Priestley acabou de vê-la. Eles partilharam de um momento incrível e rápido de profunda possibilidade, em algum lugar da Charlotte Street. E então, em um piscar de olhos, ela partiu deixando-o, acidentalmente, segurando sua câmera descartável, com o filme de fotos completo... E agora Jason — ex-professor, ex-namorado, escritor e herói relutante — se depara com um dilema. Deveria tentar seguir A Garota? E se ela for A garota? Mas aquilo significaria utilizar suas únicas pistas, que estão ainda intocáveis em seu poder... É engraçado como as coisas algumas situações se desenrolam... 




Olá Envenenadas !!!

Como seria encontrar o amor da sua vida, não saber seu nome e não ter a menor ideia de como encontrá-lo???

Este é o ponto de partida para a incrível história de Charlotte Street, a história de Jason, a história de um homem em busca de si mesmo. Um encontro rápido na porta de um táxi, uma ajuda e por fim nenhum número de telefone, apenas uma câmera fotográfica como ponto de partida para localizar aquela que pode ser “A Garota”.

No começo do livro a vida de Jason é um pouco monótona e complicada. Ele é ex-professor e dedica-se a fazer reportagens esporádicas para um pequeno jornal, o London Now, dirigido por sua amiga Zoe, com quem teve um pequeno envolvimento amoroso no passado. Descobre, por meio de uma rede social, que sua ex-namorada está noiva e grávida e, além disso tudo, mora de favor, na casa de um amigo que tem uma loja que vende fitas de vídeo games.


“Sou o Jason Priestley de 32 anos que mora na Caledonian Road, em cima de uma loja  de vídeo game entre uma agência de notícias polonesa e aquele lugar que todo mundo pensa que é um bordel, mas não é. O Jason Priestley que desistiu do seu trabalho de representante-chefe de departamento em uma escola ruim, no norte de Londres, para perseguir um sonho de ser jornalista depois que sua namorada o deixou, mas que terminou solteiro e freqüentador de restaurantes baratos, e espectador de filmes horríveis e, portanto, pode escrever sobre esse tipo de filme naquele jornal gratuito que te entregam no metrô e que você pega, mas nunca lê.”


A vida de nosso protagonista está estagnada, em seu ponto de vista o mundo lhe virou as costas, mas com a ajuda do amigo Dev, o ex-aluno Matt e Abbey uma menina de cabelo azul e muitos sonhos escondidos, ele acaba sendo obrigado a seguir em frente. Jason vai se auto descobrindo, superando dificuldades e deixando de ser o fracassado que era considerado por todos.


 “Você precisa se desapegar. Você estragou tudo, mas se você não a deixar ir embora, nunca mais amará alguém. Você é um bom partido, do seu jeito, Jason, mas você tem muitos conflitos pendentes. E você não pode deixar que isso o defina. Você não pode ter essas constantes lembranças. “A Sarah está casada, Sarah está se divertindo, Sarah não precisa mais de você.” Você precisa apagar e recarregar, e então você pode tê-la na sua vida novamente, talvez um dia, mas você terá se tornado o alguém que você precisa ser” – de Abbey para Jason, página 197.

            Conhecemos vários personagens no decorrer da narrativa, mas o grande destaque fica para o melhor amigo de Jason, Dev, que literalmente rouba a cena em vários momentos e acaba sendo muito carismático e encantando o leitor. Dev me cativou - um fofo engraçado e companheiro para todas as horas e com certeza, a maior razão de Jason empreender a busca pela “Garota”.
  
Danny Wallace, com sua narrativa irreverente e inteligente, nos apresenta não uma história de amor romântico, mas uma história sobre o amor próprio e amizade. Amei seu humor britânico ácido, que esconde a imensa doçura de um personagem inteligente, sarcástico, apaixonado e recalcado.

O autor construiu uma trama gostosa e edificante, com personagens magníficos. O formidável do livro é que não há magia, fantasia, seres sobrenaturais ou acontecimentos mirabolantes e extraordinários. Tudo o que lemos é sobre o cotidiano da vida londrina e de um homem lutando para ser feliz e se achar, como tantos outros, em uma selva de pedra. As situações pelas quais os personagens centrais passam são em muitos momentos hilários, em outros um tanto tristes e tocantes.
  
Para quem,  como eu, ainda não teve a oportunidade conhecer a Inglaterra, existirão pequenas dificuldades. No decorrer do livro Jason menciona pontos específicos, como lojas e locais turísticos de seu país, porém, nada que não se resolva com uma rápida consulta ao Google, ou qualquer outra ferramenta de pesquisa, para assim entender e visualizar melhor o que está sendo lido.

Outra pequena falha encontrada foi a tradução literal do nome do dinheiro inglês, chamá-lo de Real não combinou com o cenário. A história se passa em Londres, não no Brasil.
           
Confesso que senti uma pequena dificuldade no começo deste livro. A história não desenvolvia, porém quando o texto “engrena” justifica toda a leitura.  O final é excelente, diferente e surpreendente!

Charlotte Street é uma história sobre redenção, sonhos, esperança, amizade, coragem, perdão e sobre “fazer acontecer”, com diria o próprio Jason. É a história de um homem que estava totalmente sem perspectivas e, no momento certo, decidiu viver.

Espero que tenham gostado, até a próxima.

            Beijos,
 

3 comentários:

  1. Adorei a resenha, me deu vontade ler Charlotte Street nesse exato momento... E pontos turístico em London não serão problema algum, acho que os conheço como a palma da minha mão rsrsrsr.

    ResponderExcluir
  2. Eu não gostei. =[
    Na verdade, achei um saco. Demorado, confuso e não desenvolve. =[

    ResponderExcluir
  3. Li a resenha, mas, definitivamente não lerei o livro. O achei chato e repetitivo, sempre as mesmas coisas, os mesmos pontos de partida, não há uma novidade, nada que o diferencie dos milhões de romances lançados ano passado. Os escritos precisam entender que os leitores (compulsivos, como eu) necessitam de êxtase, mesmice não nos apetece.

    ResponderExcluir

Destile seu veneno, comente!

Ou receba as atualizações no seu email:

Delivered by FeedBurner

Posts Recentes

Últimos Comentários

As envenenadas pela maçã Ѽ by TwilightGirls RJ Ѽ - Copyright © 2012 - Todos os Direitos Reservados